Sindicato confirma possível greve na próxima semana

Mogi - O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Mogi das Cruzes e Região, Felix Barros, confirmou a possibilidade de paralisação gradual do transporte público municipal a partir da próxima semana, caso as negociações entre a categoria e as empresas de transporte que operam na cidade não tenham qualquer tipo de avanço.

Barros reforçou que as demandas da categoria remontam ao empenho dos profissionais durante a pandemia da Covid-19, quando foi um dos setores essenciais que não teve interrupção das atividades. "Estamos sem reajuste desde o começo da pandemia, e esperamos neste mês de novembro, com a retomada das atividades, que o nosso esforço também seja reconhecido pelas empresas", apontou.

A pauta de reivindicações, segundo o líder sindical, era de reajuste salarial de 16,6% - sendo 11,6% referentes à inflação nos últimos 12 meses, além de 5% de aumento real no salário. "No entanto, as empresas nos comunicaram em nota que o aumento salarial seria nulo, além de propor uma redução de
R$ 300 no valor do vale-alimentação", acusou Félix.

Caso não haja evolução nas negociações entre as partes, o presidente do sindicato prevê a escalada na retórica, partindo do estado de greve para a paralisação. "Estamos dentro do nosso direito de realizar as manifestações e a greve. Por isso, estamos falando com a população sobre nossa condição e estamos seguindo as determinações legais", explicou.

Perguntado sobre como avalia a situação dos trabalhadores do transporte rodoviário em outras cidades do Alto Tietê, Barros informou que um dos exemplos de movimentação tem sido na cidade de Suzano, onde a empresa chegou a apresentar uma proposta, que ainda está sendo analisada pelos trabalhadores. "Esperamos que possam chegar a um entendimento", concluiu.

Outro lado

Procurada pela reportagem, a CS Brasil - uma das empresas que administram o transporte de passageiros em Mogi das Cruzes - manifestou-se por meio de nota: "A empresa informa que está em negociação com o Sindicato dos Trabalhadores e reitera que a tarifa do transporte público fixada pela Prefeitura não sofre alterações desde janeiro de 2019".

A Princesa do Norte, a outra empresa responsável, também foi procurada pela reportagem, mas não se manifestou. O Grupo MogiNews/DAT segue à disposição para a divulgação dos esclarecimentos.

Deixe uma resposta

Comentários