Residências antigas também podem ser transformadas em comércios

Residência antiga em Mogi foi reformada para se tornar uma ótica
Residência antiga em Mogi foi reformada para se tornar uma ótica - FOTO: Gil Nóbrega
O comércio mogiano não para de crescer, e muitos imóveis que foram inicialmente construídos como residências acabam sendo alugados ou vendidos para dar lugar a uma loja, restaurante ou escola. Os ambientes de uma casa, normalmente, não são os ideais para se montar um estabelecimento comercial, então diversas adaptações são necessárias.
Conforme o tipo de uso que se pretende para o imóvel, as adaptações poderão ser pequenas ou, muitas vezes, radicais, com grandes intervenções. Em alguns casos mais extremos, até a demolição da casa é recomendada, para dar lugar ao novo estabelecimento, com suas necessidades específicas. É o caso de agências bancárias ou lojas de departamentos. Já para escritórios, consultórios ou determinados serviços, uma pequena reforma pode resolver. No entanto, não se pode esquecer que as adaptações terão de ser feitas inclusive na fachada. Atualmente, para quase qualquer tipo de comércio, as normas de construção do município exigem vagas de estacionamento, adaptações de acessibilidade, local para letreiro – também seguindo normas específicas -, além de alteração da documentação junto à Prefeitura.
Depois de alugar ou comprar o imóvel, o primeiro passo é contratar um arquiteto, que irá orientar o passo a passo de todo este processo, podendo, inclusive, verificar previamente a viabilidade ou não da reforma e uso pretendidos. De posse da planta do imóvel atual, esse profissional irá estudar com o interessado as alterações desejadas e as implicações legais que deverão ser observadas. É feito um primeiro estudo da reforma, resultando na análise do que é ou não possível se fazer. Então, o arquiteto apresenta o layout do estabelecimento (distribuição dos móveis nos ambientes, determinação do uso de cada ambiente e todas as adaptações necessárias), para perfeita compreensão de como ficará o imóvel após a reforma. Muitos arquitetos apresentam até maquetes eletrônicas, que mostram os ambientes e a edificação numa simulação de 3D, facilitando muito o entendimento da reforma e da nova fachada.

Necessidades
Imóveis para uso comercial precisarão de recepção, banheiros separados por sexo, banheiros ou vestiários para funcionários, porta ampla de entrada, estacionamento proporcional ao tipo de comércio, iluminação e ventilação naturais em quantidade mínima exigida pelo Código Sanitário e diversas outras adaptações. Além disso, a edificação deve ser adaptada para pessoas com necessidades especiais, desde rampa de acesso, eliminação de degraus internos, banheiros adaptados e vários outros detalhes.
Para consultórios médicos e odontológicos existem, ainda, outras necessidades, como sala de esterilização, depósito de material de limpeza (DML), local para descarte de material contaminado e outras exigências da Vigilância Sanitária.
Deve sempre existir uma preocupação com a estrutura existente da casa que, na maioria das vezes, não foram construídas para sofrer grandes modificações. Abrir vãos em paredes ou removê-las pode ser um problema. Por isso, não se deve executar uma reforma sem consultar previamente um profissional habilitado (arquiteto ou engenheiro civil).
Para conhecer o custo final da reforma, é necessário elaborar os projetos, os quais servem de base para quantificar os materiais e mão de obra necessários, além de definir o prazo de execução da obra. É possível também fazer o contrário: estipule com o arquiteto o valor destinado ao gastos com a reforma e ele poderá projetar as adaptações de acordo com o limite definido.

Deixe uma resposta

Comentários